sexta-feira, 20 de julho de 2012

Dia Mundial do Futebol

Ontem, 19 de julho, foi o Dia Mundial do Futebol. O Banco Itaú e sua agência com nome de continente aproveitaram o momento para reforçar a campanha #vamosjogarbola. Assiste aí e eu tasco meus comentários azedos lá embaixo.


O vídeo é curioso, bastante visual com essas imagens desfocadas, tem um texto emotivo e intercala as torcidas sem dar identidade a nenhuma delas - óbvio, querem ficar bem com todo mundo. Um erro, como quase tudo o que se vê no vídeo. Na minha opinião que não vale muita coisa, acho que esse tipo de apelo atinge apenas aqueles que não entendem direito qual é o papel de uma empresa quando se mete a falar de futebol.

Ô Itaú, já que você se empreitou a falar da nossa paixão pelo futebol, faltou dizer aí que a coisa mais vital do esporte é a rivalidade, e é só por isso que ele tem graça. O botafoguense não quer que o Flamengo morra, ele quer que o Flamengo perca. Mas você, Itaú, não entende isso direito porque não torce por ninguém, você é só um maldito banco, como todos os outros que existem por aí. Bancos não torcem, eles apenas querem o dinheiro dos clientes para fazer girar uma complexa engrenagem construída por complexas engenharias financeiras. Quanto mais clientes, mais rápido gira essa engrenagem e mais lucros eles têm. Nada contra, são apenas negócios. E já que os fregueses gostam desse negócio de torcer, por que não falar de futebol em nossos comerciais? Hein?

Todo torcedor sabe que sucesso dos times é cíclico, feito, inevitavelmente, de fases boas e ruins. Não existe o melhor, existe o que está melhor naqueles 3 ou 4 anos. Tem uma entrevista do João Moreira Salles que explica bem o que um torcedor de verdade entende por futebol (procurem, deve ter em algum lugar nos cafundós Youtube). A vitória é o que importa, ainda que não importe mais do que a nossa fidelidade. Por isso o Sportv foi muito feliz quando veiculou isso aqui e a Nike foi muito infeliz quando veiculou esse outro aqui - uma marca não tem o direito de se colocar no lugar do torcedor. "Torcemos juntos" - é o que também perpetua o slogan da Fox Sports. Não, Fox, não torcemos juntos por um único motivo: quando vocês torcem para todos, não torcem para ninguém.

Anunciantes no futebol não meros coadjuvantes, visam seus lucros e, por isso, não estão no mesmo patamar dos apaixonados torcedores. Devem acompanhar tudo do lado de fora. Torcedores não recebem dinheiro do futebol, pelo contrário, eles colocam dinheiro nele. Por isso, Itaú, Nike e Fox dos infernos, não venha se comparar a mim, suas concepções são bem diferentes das nossas. Deixem de ser idiotas de uma vez por todas, vocês não entendem o verdadeiro poder do futebol.

Amo meu time, e só eu tenho o direito de criticá-lo, igual a qualquer outra coisa que você adora. Mas o outro foi campeão? Dane-se, o meu ainda é melhor, mesmo não sendo naqueles 3 ou 4 anos. A paixão explica-se quando torcemos incondicionalmente, e não importa o que aconteça, queremos ver sempre o nosso adversário se foder não obter êxito, nunca. E quando não há violência, vale tudo, digo, quase tudo. Nesse universo todo não existe imparcialidade, muito menos razão. Como poderíamos confiar nas estatísticas quando ainda há esperança, ainda que ela morra no apito final de um juiz filho da puta?

0 comentários: