sábado, 9 de abril de 2011

Cartão musical para Cuiabá

(292 anos) - Eu sempre falo por aqui que as formas de se vender as coisas estão mudando de forma nada sensíveis. As agências mais plugadas estão cientes disso e entenderam a necessidade de ousar a cada nova campanha. Mas antes de pensar em como falar de forma diferente com as pessoas, os publicitários têm uma missão bem mais complicada: convencer os clientes que a novidade é tão - ou mais - eficiente que a mídia tradicional. Isso significa que tudo o que você aprendeu na faculdade de publicidade não serve para quase nada, aquilo já faz parte de um passado distante. Aceite essa realidade.

Agora vejam esse exemplo abaixo. Para celebrar o aniversário de Cuiabá, a agência Mercatto preferiu algo totalmente diferente a veicular um mero anúncio de meia página em um jornal qualquer da capital. Imagino que o cliente - a papelaria Grafitte - tenha exigido bons argumentos para aderir ao flash mob - já que a verba é praticamente a mesma, mas só em uma das estratégias o retorno é garantido. Nesse caso, a agência merece duas vezes parabéns. Pelo ideia e pela confiança dada pelo cliente.

A ação aconteceu na madrugada do dia dia 8 de abril - aniversário da cidade - em um dos restaurantes mais tradicionais da cidade. O grupo vocal Alma de Gato estava disfarçado entre os clientes espalhados pelo local, e exatamente à meia-noite eles começaram o show. Ao final da apresentação, após muitos aplausos, as pessoas puderam deixar suas mensagens de carinho por Cuiabá em um cartão gigante, que ficará em exposição na Grafitte.

Conclusão: isso é coisa de outro mundo? Não. Isso já foi feito em outras cidades? Sim, praticamente em todas as outras. Isso ajuda a vender caderno, lapiseira e estojo escolar? Indiretamente, é claro que sim.

De vez em quando, a boa publicidade não precisa reinventar a roda para ser brilhante.

0 comentários: