quinta-feira, 28 de maio de 2009

Filme com publicitário: Quase Virgem

Companheiro, pela primeira vez na história dessa categoria comento um filme com publicitário que me faça sentir um certo receio, eu explico. “Quase Virgem” é mais uma daquelas comédias toscas com adolescentes mimados que procuram sexo a todo custo. Até aí tudo bem, a Sessão da Tarde está repleta dessa maldição, mas o problema está na profissão do personagem principal Ed Waxman (Brendan Fehr), ele é publicitário.

Ed é um obcecado colecionador de vídeos caseiros que trabalha numa descolada agência de propaganda, e pelo visto, os prêmios em sua área são rotineiros. Após flagrar sua namorada filmar enquanto transa com seu melhor amigo, Ed entra em depressão e promete jamais tocar em uma filmadora. Desgostoso com a vida, o jovem publicitário fica um ano sem sair com garotas e acaba deixando essa fase ruim prejudicar seu trabalho – os layouts apresentados por seu chefe são hilários. Prestes a ser demitido no dia do seu aniversário, ele tem um fim de semana para criar uma campanha genial que devolva uma grande conta que a agência acabara de perder. Eis que seu irmão mulherengo o convence a aproveitar o fim de semana especial de outra forma: conseguir uma transa a qualquer custo.

É até difícil fazer uma análise do perfil do publicitário no filme, porém, assisti essa merda duas vezes e cataloguei alguns adjetivos que expressam bem a personalidade do protagonista. Ed, assim como muitos publicitários que conheço, tem um dom natural para criar, não dá tanto valor assim a prêmios e tem uma forma incomum de ver a vida. Quando ele é atropelado pela futura ex-namorada, a moça diz: “Atropelei um retardado!” Já para seu chefe, Ed é um fera, um dínamo que não concorda quando todos da sala bajulam o cliente, ainda que ninguém goste da campanha apresentada.

Um diálogo entre Ed e seu dupla me chamou a atenção, e como sempre faço, o transcrevo aqui.
“-Você acha mesmo que este comercial vai ajudar nosso cliente a vender mais?
- Essa pergunta se classifica como: estou me lixando! O cliente queria esse slogan idiota e o dinheiro é dele.
- Mas estamos aqui para ajudá-los a vender e não para apenas concordar com tudo.
- Nossa agência não suportaria perder essa conta.”

Para um cara que não liga para o próprio aniversário, que precisa ser lembrado que a arte imita a vida e que toma antiácidos quando as coisas não vão bem, Ed se sai um bom apresentador de ideias – para alguns, isso já é o suficiente. E é assim que o filme tem seu esperado happy end. Um comercial muito, mas muito ruim tem ares de genial por usar as cenas que Ed registrou a vida inteira. A agência ganhou a conta da grande empresa de seguros, Ed ganhou seu emprego de volta e ainda por cima transou com sua vizinha sarada. De fato, a arte imita a vida - ou vice-versa - mas por Deus, não leve isso tão a sério!

Elenco:
Brendan Fehr | Ed Waxman
Chris Klein | Cooper
Chandra West | Kim
Craig Fairbrass | Frank Silver
Paul Campbell | Roger
Cobie Smulders | Ellen
Andy Thompson | Oficial Garcia
Nicole McKay | Cathy
Alejandro Rae | Jack
Roger Haskett | Pai de Ed
Kristina Copeland | Mãe de Ed
Angelika Libera | Jo
Evangeline Lilly | Simone
Mike Dopud | Sargento Mahoney
Chelan Simmons | Susie
Dustin Milligan | Ed Waxman - 14/15 anos
Rudy Novak | Ed Waxman - 10 anos
Dylan Lamoureux | Ed Waxman - 5 anos
Dakota Morton | Cooper - 16 anos
Stephen Park | Médico

Título original: The Long Weekend
Direção: Pat Holden
Gênero: Comédia
Origem: EUA | Inglaterra | Canadá
Ano: 2005
Duração: 85 minutos
Estúdio: Gold Circle Films | Vin Di Bona Productions | Brightlight Pictures Inc. | Point Blank Pictures
Trailer: clique aqui
Site: clique aqui

:: Nota do blogueiro: 5.8
Por quê? O filme é bobo. Ainda que o critério das notas seja a relevância que a nossa profissão tenha no roteiro, o texto de “Quase Virgem” tem piadas ruins e cenas desengonçadas. Fico imaginando as pessoas que não conhecem o universo de uma agência de publicidade, elas assistem ao filme e pensam que somos um bando de babacas puxa-sacos de clientes egocêntricos.

2 comentários:

kArEn disse...

Puxa, realmente, só de ler o trecho que vc postou dá pra perceber que não é uma imagem boa da publicidade. *-*

Naay Bäck. disse...

Vou ter de ver esse filmee *CURIOSA ^^

Beijos