sexta-feira, 22 de maio de 2009

Filme com publicitário: Nação Fast Food

Se eu tivesse que indicar um filme a alguém que gosta de bons filmes, com certeza diria: assista a “Nação Fast Food”. Não digo isso apenas porque a obra dirigida por Richard Linklater tem o marketing como centro das atenções, me refiro ao mesmo tapa na cara que o bom filme alemão “Edukators - Os Educadores” deu no mundo ocidental.

“Nação Fast Food” tem um publicitário/marqueteiro como personagem principal, digo isso porque, para mim, marqueteiro e publicitário têm absolutamente a mesma missão. No filme, Don Anderson (Greg Kinnear) é um brilhante Diretor de Marketing do Mickey´s, uma rede de lanchonetes fast food dos Estados Unidos. O que não faltam são críticas do filme na internet – e recomendo que leia algumas – mesmo que você não concorde necessariamente com elas.

Após uma reunião da equipe de marketing para definir o slogan de um novo sucesso de vendas da empresa, Don vai até a cidade de Cody, Colorado para investigar a presença de estrume nos hambúrgueres congelados do “Big One” (O Grandão), - principal sanduíche da marca. Um diálogo que se destaca é entre Don e Harry (Bruce Willis), que diz ao publicitário que basta fritar bem a carne para não ter maiores problemas. Outra questão pertinente é a comparação que ele faz ao perguntar se Detroit deveria parar de fabricar carros porque 40 mil pessoas morrem todos os anos em acidentes de trânsito.

Alguns classificaram o roteiro como sendo um mero repeteco da surrada ladainha contra o "sistema". Eu sinceramente acho que não, ainda que concorde que ideais revolucionários tornaram-se bens de consumo. Muitos detalhes que movimentam toda essa indústria me fez refletir sobre o verdadeiro papel da publicidade. Detalhes como o cheiro artificial de churrasco que é testado para um novo produto, a facilidade que o laboratório tem para reproduzir o gosto do limão e a 1ª aula de marketing que Don dá a sua esposa: “nunca mate seu consumidor”.

A propósito, Don é muito bem classificado ao longo do filme. O publicitário, além de ser um bom pai, é um cara inteligente, genial e que não leva a culpa pelo que sua empresa representa. Pensando bem, é a sua própria empresa que tenta resolver o problema dos coliformes fecais na carne, ainda que seu chefe tema por um grande escândalo, o filme passa a ideia que os capitalistas do Mickey´s não são os únicos culpados. Também não é fácil achar apenas um culpado numa indústria que movimenta 110 bilhões de dólares anuais nos Estados Unidos.

Já o Frigorífico Uniglobe, que fornece a carne para o “Grandão” explora uma mão-de-obra barata, eles só querem os centavos a mais, como diz um fazendeiro em certo momento. O lucro é tudo que importa, mesmo que tenham que contratar mexicanos que entram ilegalmente no país. No filme, o termo "fast food" consegue ir além da indústria alimentícia, é todo o processo que emprega pessoas como robôs. É a recepcionista do hotel incapaz de ouvir, repetindo exaustivamente as mesmas frases prontas.

O filme ainda coloca a posição dos jovens “revolucionários”. Um grupo de adolescentes – uma delas é funcionária do Mickey´s – tenta mostrar a sociedade consumista local os maus tratos que os animais sofrem para alimentar a indústria fast food. Ainda que a intenção seja a melhor possível, a única conclusão que cheguei foi: ninguém faz revolução de barriga cheia.

Elenco:
Greg Kinnear | Don Henderson
Bruce Willis | Harry
Patricia Arquette | Cindy
Paul Dano | Brian
Luis Guzmán | Benny
Ethan Hawke | Pete
Kris Kristofferson | Rudy
Avril Lavigne | Alice
Catalina Sandino Moreno | Sylvia
Lou Taylor Pucci | Paco
Erinn Allison | Shannon
Mitch Baker | Dave
Bobby Cannavale | Mike
Michael D. Conway | Phil
Frank Ertl | Jack Deavers
Aaron Himelstein | Andrew
Ashley Johnson | Amber
Cherami Leigh | Kim
Jason McDonald | Riley
Esai Morales | Tony
Hugo Perez | Francisco
Glen Powell Jr. | Steve
Francisco Rosales | Jorge
Ana Claudia Talancón | Coco
Wilmer Valderrama | Raul

Título original: Fast Food Nation
Direção: Richard Linklater
Gênero: Drama
Origem: Estados Unidos
Ano: 2006
Duração: 114 minutos
Estúdio: BBC Films | HanWay Films | Participant Productions | Recorded Picture Company
Trailer: clique aqui
Site: clique aqui

:: Nota do blogueiro: 9.2
Por quê? Para um “feel-bad movie”, o filme é tão incômodo quanto bem construído. Ficção e realidade se misturam ao melhor estilo Michael Moore de encarar os donos do mundo. É um filme que tenta colocar as pessoas a par do que está acontecendo, ainda que muitos o assistam, fiquem indignados, sintam um pouco de culpa e depois trocam de canal para saber o que está passando na Warner Channel. Ainda temos aqueles mais empolgados que até escrevem um post a respeito, mas a verdade é uma só: ninguém faz revolução de barriga cheia.

1 comentários:

CW disse...

Parabens pelo blog, parabens pelo empenho em fazer este sanatorio um lugar legal e inteligente de visitar, sou sua fa. abs, CW