terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Mais polêmico do que criativo | 19

Fazendo das palavras de João Moreira Salles as minhas, gosto dessa coisa de não ter necessariamente que relatar o fato no exato momento em que ele acontece. Olhando mais para os lados positivos dessa estratégia de não viver pendurado no noticiário, ganho tempo para escrever, maturo minha opinião e volto ao assunto depois que passa todo o turbilhão de notas a respeito do fato. Estou falando da campanha mais polêmica veiculada no Brasil, Itália... mundo na última semana.

Voltando a falar sobre uma propaganda polêmica depois de algum tempo, destaco os impressos da grife italiana Relish. Perto do que já foi visto por aqui, as peças não fazem nem cócegas no senso crítico dos mais exigentes, ainda assim, a polêmica é bem plausível. Dessa forma, vamos aos pontos.

Produzida no Rio de Janeiro, a campanha de outdoors foi veiculada nas cidades italianas de Bolonha, Nápoles e Milão. Lá, sofreu fortes pressões pelas organizações feministas e as próprias prefeituras dessas cidades. Segundo o Secretário de Turismo daqui, exposições como essa desrespeitam a Polícia Militar, a cidade do Rio de Janeiro e os próprios cariocas, lamentando que fatos desrespeitosos e preconceituosos como esse ainda ocorram em pleno século 21. Vale lembrar que já citei outra polêmica envolvendo policiais na publicidade (reveja aqui).

Baseadas superficialmente no filme Thelma e Louise, as fotos são de fato polêmicas, mas continuo achando que é tudo parte da estratégia de divulgação da coleção - e nada me dissuadiria disso. O próprio presidente da marca declarou que as fotos foram feitas no Brasil devido a sazonalidade do clima e o belíssimo cenário que é a praia de Ipanema. Quanto isso ofender nosso país? Não sinto que eventos como esses prejudiquem nossa imagem lá fora, seria tão tolo como dizer que o Drácula denigre a imagem da Transilvânia.

Concluindo, a Riotur ordenou imediatamente à embaixada italiana no Brasil a suspensão das peças e depois pediu desculpas pelo ocorrido. Os blogs e sites de notícias evidenciaram a marca. Os leitores comentaram superficialmente a respeito e a vida continua até o próximo caso que estarrecerá as comunidades que julgam-se mais moralistas. É a comédia da vida nada privada na "web 2.0.1."

Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us

2 comentários:

Diana disse...

É complicado... Não sou muito a favor de usar polêmicas em propagandas cujo principal fco é vender (mas acredito que polêmicas funcionam quando a intenção é, errr, polemizar - em campanhas sobre AIDS, aborto, anorexia e tal). Apesar de, inevitavelmente, a polêmica na propaganda difundir - e muito - o nome da marca, temos o caso da Benetton pra lembrar. Quem hoje usa Benetton?

Por outro lado, acho que o brasileiro tem uma forte crise de autoestima. Foi o mesmo caso daquele episódio dos Simpsons: "estão denegrindo a imagem do Brasil". Mas, quando os Simpsons "denigrem" a imagem dos EUA, nós adoramos! No dos outros, é refresco, né?

Ótimo post!

Complicadinha...e? disse...

De fato, toda polêmica atrai olhares e elas são bem associadas quando alguma coisa acontece de certa relevãncia precisa de alguma atenção(questões sociais), enfim...
Propaganda deve mostrar, dizer ó to na área! mas de forma onde as pessoas não digam: vcs viram aquela fulana mostrando os seios usando aquela marca de sapatos tal...?
O Brasil precisa dizer: olha, aqui tem publicitarios, jornalistas, médicos, policiais, enfermeiros, costureiros, professores que fazem um país de maneira correta e não polemizada.
N precisamos dizer nada de ruim de nós mesmos nem deixar q outros o façam!