segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Propagandas que embalaram minha infância: Rider

"Uma luz azul me guia, com a firmeza e os lampejos do farol. E os recifes lá de cima, me avisam os perigos de chegar. Angra dos Reis e Ipanema, Iracema e Itamaracá. Porto Seguro e São Vicente, braços abertos sempre a esperar.."

Meus amigos, o ano era 1994 e até hoje lembro desse comercial das sandálias Rider. Uma forma singular de dizer ao telespectador: "Ei, levante aí do sofá e vá curtir a vida com seus amigos em seu maravilhoso país, o fim de semana é curto demais para ser desperdiçado com um controle remoto na mão".

Recursos peculiares do videoclipe para compor campanhas publicitárias quase sempre atingem o sucesso esperado, e nesse caso, um senhor sucesso! Criado pela sempre genial W/Brasil para a Grendene, o comercial fez história e marcou uma fase de ouro dos descobridores de oceanos.

Essa linguagem desenvolvida pelas campanhas da Rider utilizou de todo um aparato teórico sobre o videoclipe. Desde o primeiro VT da campanha, exibido em 1993, com a música “Que Maravilha” (você encontra fácil no Youtube) interpretada por Jorge Benjor, já foram mais de duas dúzias de comerciais reeditando “hits” da música brasileira. Sempre com roupagem pop e servindo de trilha sonora para uma série de imagens que sintetizam todo o conceito da marca.

"E com todo este aparato conceitual, a Rider ultrapassou a fronteira de “um anúncio de sandálias”. Mais do que uma simples propaganda de chinelos, a linguagem publicitária foi capaz de utilizar-se de um gênero de forte influência no público jovem - o videoclipe - e criar uma esfera de consumo muito mais abrangente e sedutora."



P.S.: Li um excelente trabalho acadêmico sobre esse case - serviu inclusive de fonte para esse post. 
Quem se interessar, acesse-o aqui.

0 comentários: