quinta-feira, 13 de abril de 2006

Eles não precisam apenas da sua compaixão.

Anúncio que imita o gesto do leitor, anúncio que chora, tem até anúncio que vira cobertor. Meus amigos, eu não sei se vocês perceberam ultimamente como as mídias para falar dos problemas sociais do mundo ficaram totalmente bizarras. Por que será?

Um exemplo é uma campanha para o Exército da Salvação, onde a Leo Burnett colocou cobertores em muros da cidade com o seguinte texto impresso no próprio cobertor: "Se você está com frio ou conhece alguém que está, por favor, pegue esse cartaz".




Na Tailândia, estatísticas assustadoras apontam que aproximadamente três bebês são literalmente jogados fora todos os dias. Partindo do princípio de que a gravidez indesejada é início do problema, uma empresa de anticoncepcional decidiu divulgar seu produto instalando latas de lixos falsas espalhadas pela cidade de Bankok. Equipadas com um sensor de movimento, toda vez que uma pessoa passava próximo da lata de lixo, era emitido o som de uma criança chorando. Ao abrir a tampa, a pessoa encontrava uma mensagem que a convidava para conhecer a pílula anticoncepcional no site da empresa.




Outra ação desse gênero foi realizada em lavatórios públicos em Portugal, um anúncio colocado nas máquinas para secar as mãos imitava o gesto das pessoas que estavam ali, porém, com outra finalidade. O texto acima da foto diz: "Milhares de pessoas repetem este gesto todos os dias."




E o que dizer sobre o apelo dessa ação? Nada, ela já diz tudo por nós.



O que posso comentar sobre isso é simplesmente: Putaquepariu! As pessoas chegaram em um estágio de insensibilidade preocupante, eu diria até de indiferença sobre a fome, a desnutrição, o desrespeito aos direitos humanos. Não que façam isso por egoísmo, egocentrismo, ou coisa parecida, mas acho que é porque estão muito preocupadas com sua própria coleção de problemas.

E o que resta para a publicidade conseguir tocar no coração dessas pessoas? Simples – basta de vez em quando fazer alguns anúncios que imitam gestos, que choram, que viram cobertores... É uma pena, mas é uma realidade que quase todos procuram não pensar muito. Só espero que isso seja finalmente, o fundo do poço.

1 comentários:

Anônimo disse...

Bem criativa este estilo de publicidade, algo muito "real", que chama a atenção. Bjo, Cris.